Organicidade

Introdução

      A compostagem de resíduos orgânicos urbanos gera composto orgânico para a agricultura, cumprindo os princípios fundamentais para o desenvolvimento sustentável: diminuição de impactos ambientais, diminuição de rejeitos, aumento da reciclagem (INÁCIO; MILLER, 2009).

      Além do benefício ao solo para o uso agrícola, compostagem é responsável por positivos efeitos ambientais, como a redução da poluição dos recursos hídricos, aumento da vida útil dos aterros sanitários, e a minimização da emissão de metano originário de resíduos urbanos. Assim, a compostagem presta um importante serviço ambiental (INÁCIO; MILLER, 2009).

       Pela ação de microrganismos, seres invertebrados e pequenos vertebrados, ocorre a decomposição do resíduo orgânico quando em ambiente adequado. No entanto, quando acumulados de forma desordenada, têm um grande potencial danoso ao ambiente e a saúde humana. Esse fato é comum em depósitos irregulares, como os lixões, e em áreas urbanas quando o resíduo atrai transmissores de doenças. A compostagem se diferencia pela ação predominante de microrganismos termófilos, que geram uma temperatura média de 60ºC. As altas temperaturas são um fator positivo por eliminar patógenos humanos e larvas de moscas (INÁCIO; MILLER, 2009).

     

Justificativa

     A parte orgânica dos resíduos sólidos domésticos corresponde ao peso de 45 a 60% do total coletado. Esta parte quando acumulada em aterros sanitários da origem à grandes quantidades de chorume (biofertilizante) e metano, chamando vetores de doenças (INÁCIO; MILLER, 2009).

       Nos aterros sanitários o resíduo orgânico está submetido ao ambiente anaeróbico e, consequentemente, passa por etapas anaeróbicas de decomposição e fermentação, formando diversos tipos de compostos poluentes que saem com o fluente líquido que deve ser coletado e tratado antes de ser liberado ao ambiente. O metano, gerado em anaerobiose, é 21 vezes mais potente que o dióxido de carbono quanto ao efeito estufa (INÁCIO; MILLER, 2009).

    A compostagem diminui o potencial poluidor dos metais pesados presentes no resíduo orgânico. Isso ocorre pelas substâncias húmicas formarem quelatos e absorverem metais pesados deixando-os indisponíveis para as plantas e para a lixiviação (INÁCIO; MILLER, 2009).

    As temperaturas atingidas na compostagem termofílica (55c a 85c), durante a decomposição do material, promove a inexistência de agentes patogênicos no composto final à ser utilizado como adubo (INÁCIO; MILLER, 2009).

      Por exigir a atividade da comunidade na separação do resíduos orgânicos na origem, ou seja, nas casas, escolas, restaurantes, agroindústrias,etc... A compostagem promove o emponderamento da população no cuidado da poluição ambiental de sua cidade INÁCIO, Caio de Teves; MILLER, Paul Richard Momsen. Compostagem: Ciência e prática para a gestão de resíduos, orgânicos. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2009. 156 p.

Objetivo

       O objetivo inicial era ampliar a coleta do resíduo orgânico das escolas municipais e estabelecimentos comerciais de Guaxupé-MG através da compostagem, utilizando leiras estáticas de aeração passiva e promoveríamos a educação ambiental onde ocorrem as coletas do resíduo orgânico, com o passar dos tempos o projeto foi se enraizando e no final de 2017 fizemos uma parceria com a Cooperativa Regional de Café (Cooxupé), onde fazemos a coleta de aproximadamente 30 toneladas mensais de resíduos.

      O “Projeto Organicidade” já vem ocorrendo desde março de 2016. Semanalmente são produzidos relatórios para o registro das atividades. Baseado nos relatórios o projeto escreve seus materiais e métodos.         

        A reciclagem orgânica desse projeto trabalha com resíduos separados na origem, e não com resíduos misturados comuns nas “usinas de reciclagem”. Ou seja, Cooxupé se responsabiliza por separar seu resíduo orgânico para fazermos a coleta.

        Para a correta separação e conscientização da importância da reciclagem orgânica, houve conversas sobre o assunto.              Na Fazenda Tulha, onde ocorre a compostagem, há a recepção de turmas escolares municipais com a apresentação teatral “Caipora”, e explicações práticas e teóricas sobre a compostagem. A peça “Caipora” foi criada pelo Grupo Máscaras, de Guaranésia, pensando no ambiente rural como espaço para a o acontecimento teatral. A visita à fazenda ocorre conforme a requisição da escola. Na Cooxupé, que disponibiliza grande parte dos resíduos  há rodas de conversa, visando à importância ambiental da reciclagem da fração orgânica dos resíduos sólidos urbanos e sua prática.

       Cada escola e estabelecimento comercial contemplado têm recipientes especiais para a deposição dos resíduos orgânicos. Esses recipientes têm um sistema de vedamento adequado para impedir mau cheiro e a atração de insetos. O volume dos recipientes é de 60 litros, podendo haver mais de um em cada ponto de coleta. A coleta ocorre todas as sextas feiras, em que os recipientes cheios são trocados por recipientes vazios e limpos.

Exemplos de resíduos:

-Agropecuária: restos de culturas agrícolas, partes folhosas de vegetais ou cascas de grãos, frutos não comercializados, estercos de criações de animais, etc...

-Resíduos agroindustriais orgânicos, como palhas e cascas.

-Restos de alimentos de restaurantes e centros de abastecimento.

-Restos de manutenção de áreas verdes.

        O método de compostagem utilizado é conhecido como método UFSC, por ter sido desenvolvido na Universidade Federal de Santa Catarina. Esse método é baseado na utilização de leiras estáticas de aeração passiva.

         Esse sistema é baseado na decomposição através de microrganimos aeróbicos e termofílicos, ou seja, microrganimos que necessitam de O2 e geram calor na sua atividade decompositora. O calor gerado nas leiras está na faixa de 50 a 70c, eliminando organismos patogênicos.

       Diferente de outros métodos de compostagem aeróbica, as leiras estáticas de aeração passiva dispensam revolvimento mecânico para sua aeração, diminuindo custos no processo. Aeração no método UFSC, é promovido através da estrutura das leiras, formada por camadas alternadas de resíduo orgânico urbano e materiais porosos de alta relação C/N (relação carbono nitrogênio), como serragem, casca de café, etc...

        A decomposição feita pelos microrganismos utiliza o oxigênio atmosférico para decompor as moléculas de carbono do resíduo orgânico, liberando dióxido de carbono, água e gerando calor, sendo seu produto final um material estável, de cor escura e cheiro agradável (INÁCIO; MILLER, 2009).

        Hoje a reciclagem orgânica do projeto está na médiade 4,5 toneladas semanais. Serão necessárias três composteiras de 22 m2, na dimensão de 2 metros de largura por 11 de comprimento. O local onde é realizada a compostagem é a Fazenda Tulha, localizada na rodovia MG-450, sentido Guaxupé-Tapiratiba à 8 Km da entrada de Guaxupé, e à 5 Km do aterro sanitário de Guaxupé.

         Hoje o número de recipientes em circulação é de 60.  A coleta é realizada por um caminhão Ford/11000, ano 1989, à diesel, disponibilizado pela fazenda. O consumo do veículo é em média de 4 Km/L.  Em um percurso hipotético de 30 Km, abrangendo a saída da Fazenda Tulha, uma rota de coleta por Guaxupé e o retorno a Fazenda Tulha, há um gasto de 7,5 litros de diesel por coleta. Além de que existe a parceria de um caminhão fretado pela Cooxupé que entrega na Fazenda resíduos sólido para a composição de adubo orgânico.